quinta-feira, 19 de novembro de 2015

O que der na telha - com DeCastro #14


A objetivação da figura feminina

Incrustradas sobre faces plásticas estão, de um lado, a idealização feminina, através da figura mãe-esposa e do outro a depravada imagem da prostituta. 

No breu dos becos e vielas das sociedades hodiernas, recostada sobre um poste de esquina, com seu típico (ul)traje encontra-se a Lucíola, figura popular entre os notívagos.

A imposição da moral burguesa, que tende a objetivar tudo, tornando seres com preços de coisas e coisas com valores de seres, estereotipa a mulher em mãe-esposa e tolhe toda a possibilidade de desdobramento existencial fora do núcleo estabelecido por maneiras de ser(es). Em contraponto, a prostituta, figura retratada no romance de Alencar, nas músicas de Chico Buarque e na Infância Berlinense de Benjamin, é recalcada: como o chiaroscuro dos renascentistas, a prostituta, em contraste com as lustrosas faces esbranquiçadas das donas-de-casa-mãe-esposa exercem o suntuoso papel de iniciação as apalpadelas dos falos centros.

Ela, que tem no seu ato uma espécie de saída subversiva do papel estabelecido pela moral vigente, não escapa ainda da objetivação: torna-se mercadoria.

A mulher de faces plásticas é a mãe-esposa (e têm no seu peito um regozijo infantil e erótico) que troca seu amor, seu corpo e sua liberdade por módicas especiarias tradicionais de dona de casa. Enquanto a prostituta (a face enegrecida pelo breu do libidinoso e lúbrico) vende-se também, mas o faz conscienciosa disso.

As Geni’s de Chico, as prostituierte dos tempos do Walter e as Lucíolas de Alencar são a história feminina contata a contrapelo. Estar em cada uma da face é uma mera fatalidade e a fatalidade é um suvenir ofertado a preço módico.

DeCastro

15 comentários:

  1. Tamiris e DeCastro, belo texto. O delineamento da figura feminina em cada época, quando tratado nos livros, é sempre muito interessante de se ler.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sem dúvida, Heloísa. Nos hodiernos tempos em que os discursos são apagados- e com o apagamento do discurso a extinção dos seres- é preciso dar voz, muitas vezes vozes sôfregas, mas que gritam para serem ouvidas.

      Excluir
  2. Oi ...
    Amei o texto !
    Já estava com saudades de seus textos rsrs... Andei uns dias meio ocupada e fiquei sem visitar seus posts :)
    Beijos

    http://coisasdediane.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois então, também senti falta dos teus comentários. Pensei: "Cadê Diana que não comenta mais?!"
      Fico bem em saber que gostou.
      PS:. Não se ausente mais do blog, hein aushaush

      Excluir
  3. Oee,
    Super tenho inveja de vocês que escrevem esses textos incríveis, queria escrever assim hehe.

    Abraços!
    http://lendocomobiel.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Saudações, Gabriel
      Escrever exige, sobretudo, dedicação e abnegação: dedicar-se a escrita e todos os seus componente e abnegar-se, muitas vezes, do seu tempo.
      Então, mãos a obra.

      Excluir
  4. Que texto bacana e mega atual. Parabéns e fico no aguardo de outros desse gênero. Vcs poderiam sobre as escritoras.

    Profissão: Leitora

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado pelas palavras de carinho. Minha coluna é toda quinta, mas diariamente são postados coisas incríveis no blog, confira.
      Sobre a proposta, não ficou muito claro, para mim. Poderia, gentilmente, esclarecer?

      Excluir
  5. É minha segunda parada aqui e estou encantada com a forma de analisarem a literatura contextualizando-a com a história. Muito legal, viu? Texto bem escritos e riquíssimos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois bem, no que tange a produção atualmente, confesso que não espero muito das pessoas, afinal se está produzindo tipos de textos cada vez mais ruins e suas locuções com o hodierno, mais precárias.
      Continue acompanhando o blog e, claro, a minha coluna.

      Excluir
  6. Olá.
    Texto bacana, parabéns pela dedicação. Vou parar aqui mais vezes.
    Abraços

    http://clicheimperial.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Jhonatan e sim, apareça mais vezes por cá.
      Abraços

      Excluir
  7. Meu um dia, tento certeza que vou saber escrever assim como vc kkk, eu acho lindo quem tem esse dom, fico sem palavras parar dizer algo. Parabéns pela dedicação, escrever leva tempo. E esse texto sobre a figura feminina ficou perfeito
    http://odiariodoleitor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Brubs
      sim, leva mesmo tempo e para "ficaria sem palavras" conseguiu falar bastante coisa uahsuha

      Excluir
  8. Uau! Que texto! Parabéns! Você consegue colocar nas palavras a essência que poucos conseguem,,, é de arrepiar! Com certeza voltarei mais vezes. Beijos

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito importante. Obrigada!

Obs.: Caso você não tenha uma conta no Google e não saiba como comentar, escreva o que deseja na caixa de texto acima e na opção "comentar como" selecione "Nome/URL", preenchendo somente o campo nome.

E-mail para contato: thamirisdondossola@hotmail.com