segunda-feira, 23 de janeiro de 2017

Resenha: As vantagens de ser invisível - Stephen Chbosky


Sinopse: Ao mesmo tempo engraçado e atordoante, As vantagens de ser invisível reúne as cartas de Charlie, um adolescente de quem pouco se sabe, a não ser pelo que ele conta nessas correspondências, que vive entre a apatia e o entusiasmo, tateando territórios inexplorados, encurralado entre o desejo de viver a própria vida e ao mesmo tempo fugir dela. As dificuldades do ambiente escolar, muitas vezes ameaçador, as descobertas dos primeiros encontros amorosos, os dramas familiares, as festas alucinantes e a eterna vontade de se sentir “infinito” ao lado dos amigos são temas que enchem de alegria e angústia a cabeça do protagonista em fase de amadurecimento. Stephen Chbosky capta com emoção esse vaivém dos sentidos e dos sentimentos e constrói uma narrativa vigorosa costurada pelas cartas de Charlie endereçadas a um amigo que não se sabe se real ou imaginário. Íntimas, hilariantes, às vezes devastadoras, as cartas mostram um jovem em confronto com a sua própria história presente e futura, ora como um personagem invisível à espreita por trás das cortinas, ora como o protagonista que tem que assumir seu papel no palco da vida. Um jovem que não se sabe quem é ou onde mora. Mas que poderia ser qualquer um, em qualquer lugar do mundo.

sábado, 21 de janeiro de 2017

TAG: Oscar Literário

Faz um bom tempo que não respondo uma TAG aqui no blog. Isso mudará hoje. A minha querida e linda amiga Bruna Costabeber, do blog Um Oceano de Histórias, me indicou para responder a TAG "Oscar Literário", que eu desconhecia e descobri ser muito divertida de responder.

quinta-feira, 19 de janeiro de 2017

O que der na telha - com DeCastro #29


Um avião, com destino a Istambul, vara o céu negro matizado de estrelas, sobrepujando, com suas potentes turbinas, Charles Mingus. Uma única luz, amarela-fuliginosa, arde constantemente na sala do apartamento. Um ruído metálico, porém sonoro e vibrante, soa ininterrupto ali dentro. Encarquilhado sobre a cadeira velha, Arnaldo lê uma antiga revista de hagiografia, enquanto fuma um toco de Marlboro. Entediava-se com toda aquela iconografia religiosa de gosto duvidoso, ainda assim insistia em manter os olhos grudados sobre as fedorentas e velhas folhas amarfanhadas. A lua enchia a janela, destacando, no reflexo do vidro, uma sombra pequena, de orelhas pontudas e profanas.

- Volte para o quarto, garoto - esbravejou Arnaldo, com uma voz tonitruante e rouca, retirando, assim, seus olhos opacos e sublimes da revista.

- Mas já estou cansado de ficar lá. Passo o dia todo ali dentro, sem fazer nada além de contemplar as imbecis formigas no aquário, labutando dia e noite, construindo infindáveis impérios - retorquia Salomão, com olhos arriados e com uma voz pastosa. Coçava o olho direito, com os imundos dedos gordurosos, por entre os óculos e suas espessas sobrancelhas que formavam dois arcos munificentes de pelos loiros pontudos e, enquanto os coçava, sentia seus olhos incharem, acompanhando a gradativa vermelhidão que se tornava, e a cegueira momentânea que lhe acometia frequentemente. Aos poucos, sua visão toldou, precisando, assim, da ajuda de Arnaldo para voltar ao breu do seu quarto.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2017

Resenha Premiada: A Torre - Leca Haine


Sinopse: Rio de Janeiro, anos 2000. Eusébia, uma velha mulher arrogante e preconceituosa, vê-se sozinha e sem ninguém para conversar, a não ser o porteiro Tião, que veio do nordeste em busca de trabalho. Com o passar do tempo, surge uma espécie de codependência entre os dois, induzida pela solidão que sentem e que não têm coragem de confessar nem mesmo para si próprios. Somente encarando os erros do passado e buscando perdoar-se a si próprios, ambos conseguem enxergar que a Torre, o prédio onde moram, não é mais o mesmo e que um novo destino os aguarda.



segunda-feira, 16 de janeiro de 2017

Eu li e... #25

Olá leitores, tudo bem?

Hoje trago mais um livro para a coluna "Eu li e...". Dessa vez, farei não uma indicação, mas uma intimação para que vocês leiam esse livro, entenderam?


O livro escolhido é: Meu coração e outros buracos negros da Jasmine Warga, vamos conferir:

Meu coração e outros buracos negros nos apresenta à história de Aysel, uma menina que sofre de depressão e vê como a última saída - e única solução para tudo – o suicídio. Ela entra em um site de parceiros de suicidas e conhece RobôCongelado, o rapaz que também quer se suicidar e a ajudará para que consigam concretizar o que planejam.