segunda-feira, 11 de agosto de 2014

Diário de Um Cão

Estava lendo uma notícia de uma cadelinha que andou vários quilômetros para encontrar a sua "família", mas teve um final feliz. E por um acaso, cheguei a esse texto que, gente... Sem mentira nenhuma, me desesperou enquanto eu lia. Eu simplesmente não consegui aguentar e chorei demais, demais, demais. Normalmente eu não leio essas coisas, procuro me desvencilhar de coisas tristes que envolvem animais, pois o meu coração é muito fraquinho em relação a isso. Mas enfim, eu li e quero compartilhar com vocês:


1ª semana 
Que alegria ter chegado a este mundo!

2 meses 
Hoje me separaram de minha mamãe. Ela estava muito irrequieta e, com seu olhar, me disse adeus. Espero que a minha nova família humana cuide tão bem de mim como ela o fez.

4 meses 
Cresci rápido. Há várias crianças na casa, são como irmãozinhos. Eles me puxam o rabo e eu os mordo de brincadeira.

5 meses 
Me deram uma bronca. Minha dona se incomodou porque fiz xixi dentro de casa. Mas nunca haviam me ensinado onde deveria fazê-lo.

8 meses 
Sou um cão feliz! Tenho o calor de um lar. Sinto-me tão seguro e protegido. O pátio é todinho para mim e, às vezes, me excedo, cavando na terra. Nunca me educam. Deve ser correto tudo o que faço.

12 meses 
Sou um cão adulto. Meus donos dizem que cresci mais do que eles esperavam. Que orgulho devem ter de mim!

15 meses 
Nada é igual. Moro na varanda. Sinto-me muito só. Minha família já não me quer! Às vezes esquecem que tenho fome e sede.

16 meses 
Me tiraram da varanda. Eu fiquei tão contente que pulava com gosto. Meu rabo parecia um ventilador! Além disso, vão levar-me para passear em sua companhia! Fomos para uma rodovia e, de repente, pararam o automóvel. Abriram a porta e eu desci feliz. Não compreendo porque fecharam a porta e se foram. "Ouçam, esperem!" lati... esqueceram de mim. Corri atrás do carro com todas as minhas forças... minha angústia crescia ao perceber que quase perdi o fôlego e eles não paravam.

17 meses 
Procurei achar o caminho de volta ao lar. Estou e sinto-me perdido! No meu caminho existem pessoas de bom coração que me olham com tristeza e me dão algum alimento.

19 meses 
Parece mentira. Quando estava mais bonito, tinham compaixão de mim. Agora estou muito fraco, meu aspecto mudou. Perdi um olho com as pedras que as crianças jogaram em mim e as pessoas mostram a vassoura quando pretendo deitar-me numa pequena sombra.

20 meses 
Quase não posso mover-me! Ao entrar atravessar a rua por onde passam os carros, um me pegou. Oxalá me tivesse matado! Mas só me deslocou as cadeiras. A dor é terrível! Faz dias que estou em baixo do sol, da chuva, do frio, sem comer. Algumas pessoas passam e nem me vêem; outras dizem "não chegue perto." Já estou quase inconsciente, mas alguma força estranha me faz abrir os olhos. "Pobre cãozinho, olha como te deixaram", dizia... Junto com ela estava um senhor de avental branco. Começou a tocar-me e disse: "Sinto muito senhora, mas este cão já não tem remédio, é melhor que pare de sofrer." A gentil dama concordou. Como pude, mexi o rabo e olhei-a, agradecendo-lhe que me ajudasse a descansar. Somente senti a picada da injeção e dormi para sempre, pensando em por que tive que nascer se ninguém me queria...

***

Infelizmente esse texto retrata uma situação bastante comum. Quantos cachorros são abandonados dessa mesma forma pelos mesmos motivos? Muitos! É uma situação preocupante, que só acontece porque existem muitos seres humanos desprezíveis, incapazes de serem respeitados e sem senso de responsabilidade. Tudo começa quando uma pessoa adota ou compra um filhote e, depois que ele cresce ou faz algo de errado, simplesmente o abandona e o deixa por conta própria.

Se alguém souber o autor desse texto, me avise para eu colocar aqui. Eu procurei para referência mas não o achei. Enfim, espero que esse texto sensibilize você da mesma forma que me sensibilizou. Gente, há várias formas de diminuirmos esse número absurdo de abandonos. Uma delas é a castração. Outra forma é abrir a boca quando presenciar qualquer situação de maus tratos contra os animais. Vamos fazer a nossa parte. Cada pequeno gesto faz uma diferença enorme.

16 comentários:

  1. Eu me lembro de ter lido esse texto há muito tempo, recebi ele por e-mail, e também me emocionei. Essa indiferença que muitas pessoas têm em relação aos animais e o sofrimento de muitos que moram na rua só acrescentam mais ao meu desejo de fazer faculdade de medicina veterinária. Eu quero, de alguma forma, ajudá-los :)

    www.a-book-devourer.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Todos podemos ajudá-los de alguma forma.
      Beijos!

      Excluir
  2. Nossa, também me emocionei, é a triste realidade de muitos e muitos animais indefesos, torço para que as pessoas se conscientizem e que essa situação vá se tornando exceção aos poucos. Beijos
    Porão da Liesel
    Facebook: Porão da Liesel

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se cada ser humano fizesse uma pequena parte, as coisas não seriam do jeito que são.
      Beijos!

      Excluir
  3. Muito triste saber que essa situação acontece, é muito importante falarmos sobre o assunto para que mais pessoas se conscientizem.
    petalasdeliberdade.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Nossa Thamiris!
    Que texto lindo *-*
    Você sabe onde pegar algo para nos emocionar, parabéns pela escolha.
    Demorei uns minutos para ler e conseguir elaborar o comentário e tenho certeza que vai ficar desconexo.
    Beijos
    http://mileumdiasparaler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não tem problema Bruna,
      Obrigada pela visita!
      Beijos.

      Excluir
  5. O texto é muito lindo! Eu tenho uma cadelinha que tá fazendo 6 meses hoje e ela adora me morder! Não sei nem o que faria se ela fosse arotpelada, ia ficar mais do que triste. Adorei o texto!
    Abraços,
    Gabriel

    www.letrasdepijamas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz que sinto isso pela sua cachorrinha, com toda a certeza ela sente o mesmo por você.

      Excluir
  6. Ai chorei Thamiris.. Eu também procuro não ler essas coisas, para não sofrer.
    Sou apaixonada por animais demais. Principalmente os cãezinhos. Eles são como anjos.
    Não consigo entender como alguém pega um animal para depois abandoná-lo, não é mais fácil procurar alguém para adotá-lo? Nunca vou entender essas coisas..essa podridão humana. Aff me dá arrepios.
    Adorei o post..

    livrosvamosdevoralos.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. São coisas que eu também não consigo entender. Suspeito que nunca entenderei. Sim, é muito mais fácil! Nossa -.- Existem seres humanos desmerecedores da vida.

      Excluir
  7. Olá! Também me emocionei com a história, tenho uma cadelinha de 7 anos, mas amo ela e sempre vou cuidar de suas necessidades.

    http://www.whoisllara.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lara,
      Fico feliz por isso. Precisamos de mais seres humanos como você.

      Excluir
  8. Olá, quando eu estava no ensino fundamental, leram essa "história" no dia da leitura do colégio. Me emocionou tanto que eu nunca esqueci, é muito lindo.
    http://lendocomabianca.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Bianca,
      Imagino a sua emoção. E entendo.

      Beijos!

      Excluir

Seu comentário é muito importante. Obrigada!

Obs.: Caso você não tenha uma conta no Google e não saiba como comentar, escreva o que deseja na caixa de texto acima e na opção "comentar como" selecione "Nome/URL", preenchendo somente o campo nome.

E-mail para contato: thamirisdondossola@hotmail.com