segunda-feira, 29 de janeiro de 2018

Resenha: O carteiro e o poeta - Antonio Skármeta


Título: O carteiro e o poeta
Autor: Antonio Skármeta
Editora: Record
Nº de páginas: 174
Ano: 2017

O carteiro e o poeta, escrito por Antonio Skármeta e publicado pela editora Record é uma história sensível de amizade entre o carteiro Mario Jiménez e o poeta Pablo Neruda.

Mario Jiménez tem 17 anos quando começa a trabalhar como carteiro, mas o único cliente que ele terá será o poeta Pablo Neruda. Mario não pensa duas vezes ao aceitar o emprego, movido pela admiração que sente pelo poeta. Ao longo do tempo, Mario e Pablo começam a dar vida a uma singela e sensível amizade, e enquanto Pablo ajuda Mario a conquistar o amor da garçonete Beatriz, ele também concorre ao prêmio Nobel de Literatura.

É com o balanço entre essas duas coisas extremamente grandiosas, mas que por alguns podem ser vistas como coisas completamente incomparáveis (a conquista de um amor e um prêmio importante da literatura), que O carteiro e o poeta se desenvolve. O livro, uma obra de ficção, é uma homenagem ao poeta mais influente da literatura chilena, Pablo Neruda.


O tom do livro é extremamente romântico, lírico e nostálgico. É uma leitura tão agradável e gostosa, repleta de metáforas e pequenas piadas, que quando acabou, eu fiquei triste, querendo que existisse mais. Os personagens são simples e necessários, todos eles, desde dona Rosa, a mãe de Beatriz, até Mario e Pablo ocupam um lugar importante e significativo na história. Em especial, gostaria de ressaltar que eu me diverti e refleti muito com os pensamentos e ideias de Mario.

“A poesia não é de quem escreve, mas de quem usa!” (p. 86)

A amizade entre Mario e Pablo é linda! Eu me vi torcendo por eles desde o início, quando a relação entre ambos era estritamente profissional, entre carteiro e cliente. E apesar de existirem outros pontos importantes na história, a amizade desses dois homens é, sem dúvida, a parte mais linda e poética desse livro que esbanja poesia em suas páginas.

“É que a senhora não lê as palavras, e sim as engole. Tem que se saborear as palavras. A gente em que deixar que elas desmanchem na boca.” (p. 111)

Quanto a edição: está maravilhosa! A capa é linda e convidativa e as folhas são amareladas. A Record arrasou! E antes de finalizar, para aqueles que gostam de adaptações cinematográficas, existe um filme de O carteiro e o poeta lançado em 1994, dirigido por Michael Radford, disponível no Youtube.

Concluí a leitura com uma sensação de satisfação. Eu havia lido Um pai de cinema, do mesmo autor, e apesar de ter gostado, fiquei insatisfeita com a leitura. Com O carteiro e o poeta, aconteceu outra coisa, algo completamente diferente. Estou encantada e apaixonada!


SKÁRMETA, Antonio. O carteiro e o poeta. Rio de Janeiro: Record, 2017.


2 comentários:

  1. Não sou fã de poesia, mas amo a escrita do Neruda! O livro parece mesmo ser muito doce Tha! Aliás, você sempre trás ótimas dicas né haha

    ps: quero te ver na Bienaaaal!

    beijos!

    www.ooutroladodaraposa.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É sim, Raí. Uma doçura! Amei, amei. ♥
      Obrigada pelo carinho.

      ps: se Deus quiser, estarei lá.

      Beijão

      Excluir

Seu comentário é muito importante. Obrigada!

Obs.: Caso você não tenha uma conta no Google e não saiba como comentar, escreva o que deseja na caixa de texto acima e na opção "comentar como" selecione "Nome/URL", preenchendo somente o campo nome.

E-mail para contato: thamirisdondossola@hotmail.com