quarta-feira, 26 de julho de 2017

Resenha: Nossas noites - Kent Haruf

Sinopse: Em Holt, no Colorado, Addie Moore faz uma visita inesperada a seu vizinho, Louis Waters. Viúvos e septuagenários, os dois lidam diariamente com noites solitárias em suas grandes casas vazias. Addie propõe a Louis que ele passe a fazer companhia a ela ao cair da tarde para ter alguém com quem conversar antes de dormir. Embora surpreso com a iniciativa, Louis aceita o convite. Os vizinhos, no entanto, estranham a movimentação da rua, e não demoram a surgir boatos maldosos pela cidade. Aos poucos, os dois percebem que manter essa relação peculiar talvez não seja tão simples quanto parecia. Neste aclamado romance, Kent Haruf retrata com ternura e delicadeza o envelhecimento, as segundas chances e a emoção de redescobrir os pequenos prazeres da vida que pode surpreender e ganhar um novo sentido mesmo quando parece ser tarde demais.

Nossas noites, de Kent Haruf foi publicado em maio de 2017 pela Companhia das Letras

Este é um livro para todas as pessoas, independentemente da idade, afinal, todos nós podemos envelhecer algum dia, todos nós podemos ter a esperança de envelhecer. Mas, para muitos, a velhice transmite um grande tédio, e justamente é o contrário disso que os nossos protagonistas, Addie Moore e Louis Waters, vão nos mostrar em Nossas noites: a velhice pode ser tão emocionante quanto qualquer fase da vida.

Addie e Louis são vizinhos há muito tempo. Ambos estão na faixa dos setenta anos de idade. Addie perdeu o marido para a morte, bem como Louis perdeu a esposa. Os filhos de cada um se mudaram e seguiram suas vidas. Ambos vivem sozinhos em suas casas no condado de Holt. Mas, essa situação muda quando Addie tem a ideia de pedir para Louis ir até a sua casa durante a noite, para que eles passem o tempo conversando e se conhecendo de fato, pois apesar de serem vizinhos, eles se conhecem apenas superficialmente. Louis reflete e vê na proposta de Addie uma forma de se livrar da solidão, e este era exatamente o objetivo dela desde o princípio.

Com isso, os septuagenários passam a se encontrar durante a noite. Esses encontros despertaram uma série de emoções e sentimentos neles, que estavam adormecidos por conta da solidão, como a insegurança, a ansiedade, a alegria, o interesse e, é claro, o amor. Addie e Louis fazem perguntas um ao outro, deitados na cama de Addie, antes de dormirem. Eles encontram naquele ato de se encontrarem todas as noites, uma forma de se livrarem da solidão. Mas, como nem tudo pode ser perfeito e o local onde moram é muito pequeno, as pessoas começam a comentar sobre o “relacionamento” dos dois.

“Estou adorando, disse ela. Está sendo melhor do que eu esperava. É uma espécie de mistério. Eu gosto da amizade que estamos criando. Gosto do tempo que passamos juntos. De ficar aqui no escuro da noite. Das conversas. De ouvir você respirar ao meu lado quando eu acordo.” (p. 84)

Gostei de Nossas noites desde o princípio. A narrativa de Kent Haruf é bem-humorada e leve. Os capítulos são curtos e narrados em terceira pessoa. Quando cheguei ao final do livro, que possui apenas 159 páginas, senti saudade imediatamente.


Eu me apaixonei pelos protagonistas de uma forma inexplicável. Eu os amo, entendem? Raramente sinto isso, é um sentimento muito peculiar, é diferente quando eu gosto dos personagens. Nesse livro, eu os amei. Me espelhei em Addie e Louis para o futuro. Quero ter a garra e a esperança dos dois. Quero ser forte como eles foram. Quero me manter ativa. Quero manter meu coração bondoso.

“Você quer outra cerveja?
Não. Mas se você quiser mais vinho eu fico aqui até você terminar. Só olhando para você.” (p. 28)

A escolha de Addie não foi aleatória, ela convidou Louis porque acreditava que ele era um homem bom, e ele é, de fato. Os dois construíram uma coisa pura e simples, mas memorável. No início, aquilo tudo era novo e estranho para ambos, mas com o decorrer do tempo, começou a parecer natural, pois era mesmo. É lindo e confortável ver o relacionamento singular que eles passam a construir. E como em qualquer situação da vida, sempre existirão empecilhos, que nesse caso, foram os fofoqueiros e os tradicionais. Não posso me alongar muito nesse quesito, mas fiquei com muita raiva dos comentários de algumas pessoas sobre os dois. 

Nossas noites é um livro sobre a esperança. A velhice não pode ser, apenas, sinônimo de tédio ou de fim. A velhice, muitas vezes, pode nos trazer a esperança de aproveitar melhor cada momento que passamos. Enquanto estivermos vivos, podemos fazer tudo aquilo que quisermos e que está ao nosso alcance. 

“Soube que vocês andam se encontrando, disse Stanley.
A Addie se dispôs a me aturar, Louis disse.
Isso me faz pensar que pode haver esperança para outras pessoas nesta vida.” (p. 122)

Acabo relatando que adicionei Nossas noites na minha lista de “favoritos”. Este livro é tão simples e tão precioso ao mesmo tempo. Você deveria lê-lo.


Referência: HARUF, Kent. Nossas noites. São Paulo: Companhia das Letras, 2017.


2 comentários:

  1. Oi Thamiris,
    eu já tinha ouvido falar sobre esse livro. Curiosa para ler.
    bjs

    Amor Por Livros
    http://amo-os-livros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito importante. Obrigada!

Obs.: Caso você não tenha uma conta no Google e não saiba como comentar, escreva o que deseja na caixa de texto acima e na opção "comentar como" selecione "Nome/URL", preenchendo somente o campo nome.

E-mail para contato: thamirisdondossola@hotmail.com