sábado, 4 de março de 2017

Resenha: Jantar Secreto - PLCUA #06

Olá, pessoal! Hoje teremos mais uma resenha para o PLCUA, projeto onde eu e minha amiga Bru, lemos juntas o mesmo livro e comentamos cada parte da leitura uma com a outra. Normalmente nós postamos as resenhas juntas, numa mesma postagem, mas dessa vez, a resenha ficou tão grande, que nós decidimos separar. Abaixo, vocês acompanharão a minha opinião sobre o livro. E a opinião da Bru, vocês podem acompanhar acessando o blog Um Oceano de Histórias. Vamos lá?


Sinopse: Um grupo de jovens deixa uma pequena cidade no Paraná para viver no Rio de Janeiro. Eles alugam um apartamento em Copacabana e fazem o possível para pagar a faculdade e manter vivos seus sonhos de sucesso na capital fluminense. Mas o dinheiro está curto e o aluguel está vencido. Para sair do buraco e manter o apartamento, os amigos adotam uma estratégia heterodoxa: arrecadar fundos por meio de jantares secretos, divulgados pela internet para uma clientela exclusiva da elite carioca. No cardápio: carne humana. A partir daí, eles se envolvem numa espiral de crimes, descobrem uma rede de contrabando de corpos, matadouros clandestinos, grã-finos excêntricos e levam ao limite uma índole perversa que jamais imaginaram existir em cada um deles.


Em sua obra Jantar Secreto, Raphael Montes nos mostra a melhor (ou pior) forma de entender o quanto nós, seres humanos, podemos ser egoístas e hipócritas com relação àquilo que comemos. 

"Não tem discussão [...] Por trás de cada prato existe a morte. As pessoas preferem fechar os olhos pra isso, mas ela está lá. A morte."

O enredo gira em torno de quatro amigos: Dante (o narrador e protagonista), Leitão, Hugo e Miguel. Basicamente, esses quatro homens saem do interior para fazer faculdade no Rio de Janeiro. Depois de alguns anos no Rio, eles se veem diante de um grande problema. Leitão, que era o responsável por pagar o apartamento em que moram, usa o dinheiro para outra coisa (pagar os serviços de Cora, uma prostituta) e deixa o aluguel atrasar por vários meses, o que gera uma grande dívida para o grupo. 

Endividados e desesperados, os amigos precisam fazer alguma coisa para pagar essa dívida. Eis que surge a ideia de organizarem jantares secretos no apartamento onde moram (Hugo é um chefe de cozinha excelente!). Resumidamente, depois de uma série de acontecimentos, eles se veem organizando um improvável jantar de carne de gaivota, que seria nada mais, nada menos, que carne humana. É aí que a vida desses quatro amigos muda completamente. 

"Além do mais, qual é mesmo a diferença entre matar um cachorro e um porco? Ou um boi?"

Com um enredo recheado de acontecimentos inicialmente inimagináveis e uma forte crítica à sociedade carnista, Raphael Montes construiu Jantar Secreto, uma obra memorável, simplesmente sensacional! 

"Depois de morto, todo bicho é igual. Você é engraçado, sabia? Se a carne vem naquele pacote, coberto no plástico transparente, você não se importa. Pega, frita e come sem nem pensar de onde veio. Agora fica aí, cheio de mi-mi-mi. Quer saber? A única diferença é que não sou hipócrita como você."

Os personagens de Jantar Secreto podem ser detestáveis ou comuns, depende do seu ponto de vista. Se você julgá-los somente por terem coragem de se envolver em um negócio onde comer carne humana é uma fonte de lucros, você irá detestá-los por estarem ferindo valores éticos. Mas se você analisá-los com base no seguinte fato: pessoas comem animais, que também são seres vivos, esses quatro amigos estão apenas se alimentando de mais uma espécie disponível. Por que é tão errado e antiético assim se alimentar de carne humana de modo geral, se o que Raphael Montes descreveu aqui no processo de “produção” da carne humana é idêntico ao processo que os animais sofrem? Sim, se você, que leu o livro, imaginou, por exemplo, apenas pessoas em matadouros, pare e imagine os animais também, eles passam pela mesma barbárie. Portanto, sim, Dante, Hugo, Leitão e Miguel são loucos, mas são personagens comuns. Eles simplesmente fizeram aquilo que os seres humanos fazem com os animais. 

"Somos o topo da cadeia alimentar, o leão da selva! E queremos nos sentir desse jeito! Superiores, sempre!"

Depois de muito refletir, cheguei à conclusão de que Miguel é o personagem mais hipócrita entre todos. Ninguém foi justo nesse livro, mas pense: Miguel aparenta ser o bonzinho racional, no entanto, novamente, se levarmos para a questão animal, Miguel é um praticante escancarado da injustiça que cometemos todos os dias. Comer carde de porco? Ok. Comer carne humana? Que absurdo! Há uma divisão de valores bastante injusta por aqui. 

"Não precisa se condenar, garoto. Essa é a mesma ignorância que faz com que você não mate um bicho, mas coma a carne dele disponível no mercado. A gente vive com uma dieta inconsistente, suavizada pelo sabor. Temos pena do porquinho e da vaquinha, mas adoramos um bom bife ancho. Meu pai já dizia que a beleza sempre ocorre no particular, enquanto a crueldade prefere a abstração. Ele estava certo."

De modo geral, a trama é viciante. Adorei ler com a Bru, mas em alguns momentos eu sentia uma vontade louca de ler tudo de uma vez só. A escrita do autor é extremamente convidativa. Se você é uma pessoa frágil e se abala rapidamente, pode ser que sofra bastante com esse livro. Eu também sofri. As cenas de violência são descritas minuciosamente. Sim, há muita violência nele. Mas entendam que é uma leitura necessária, vale muito a pena. 

"Isso me perturba, tira meu sono. Quando é que as crianças descobrem que aquilo que a mãe delas coloca no prato é tipo a Peppa Pig? Quando é que percebem que assamos e comemos a Galinha Pintadinha? E como é que elas não ficam indignadas com isso?"

Enfim, ler Jantar Secreto foi uma leitura incrível que entrou para a lista de favoritos. Repito: o autor abordou da melhor forma possível o quanto nós, seres humanos, podemos egoístas e hipócritas; e como nós enxergamos apenas aquilo que nos convém. 


14 comentários:


  1. Oi, Thamires. O enredo desse livro é interessantíssimo, pois mostra várias facetas do ser humano. Quanto ao assunto sobre vegetarismo, penso que no reino animal, os animais caçam e matam para sobreviverem. E, conosco não é diferente, é claro que é muito triste ver uma cena vários animais mortos em um abatedouro para gerar alimento para nós, no entanto é necessário, pois ninguém vive só de comer vegetal e, os que se alimentam exclusivamente desse tipo de alimento, apresentam sérias deficiências de vitaminas importantes em seu organismo, ocasionando uma probabilidade muito maior de ficar doentes. Existem vitaminas que são encontradas somente na carne, se a pessoa não as come, ficará extremamente debilitada. Aparentemente não há como percebemos essa situação, no entanto com os exames adequados, a pessoa logo descobrirá o grave risco de corre. Mulheres são um grande exemplo, pois a mesma menstrua e despeja grande quantidade de ferro na menstruação, para repor ela precisa ingerir feijão, principalmente o preto, carne vermelha e outros alimentos que contem ferro. Aí eu te pergunto a mulher que é vegetariana viverá sua existência somente comendo feijão e vegetal? Acredito que não. É claro que se pudessémos viver em um mundo onde não houvesse violência, injustiça e corrupção, principalmente no Brasil onde a corrupção passou de todos os limites aceitáveis. Mas sabemos que não é assim e nunca será, infelizmente. Então eu vejo que comer carne não é crime algum. É sobrevivência, é preciso que haja pessoas que matem os animais para nos alimentarmos dele, não tem jeito. O assunto gera polêmica mesmo, no meu entender sem necessidade dessa polêmica. Te digo que se eu pudesse, eu não comeria carne, contudo não é possível, até pelo fato de ser homem, os homens precisam de mais alimento do que as mulheres, aí está outro agravante para a situação. Provavelmente se eu comesse só vegetal, será que eu conseguiria durar um mês? Sem que minha saúde fosse prejudicada pela falta de ingerir determinado alimento? Enfim...
    Gostei da sua análise sobre o livro, terei de lê-lo, o quanto antes. Abraços!

    www.marcasliterarias.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Luciano! Você está bem?
      Matar para sobreviver, para o ser humano, é um fato extinto há muuuuuito tempo.
      Você disse que "ninguém vive de comer vegetais", como você explica o grande número de vegetarianos que cresce cada vez mais? Eu estou no caminho para me tornar parte desse povo! E com muita saúde! Muita saúde mesmo, muitas vezes, mais saúde que muitos carnistas.
      Aliás, saúde não é sinônimo de carne. E comer carne não é questão de sobrevivência para mim e para milhares de outras pessoas. Comer carne, em grande parte, na verdade, está mais relacionado ao ego. E nada disso que estou falando é minha opinião, como pude perceber que tudo o que você falou é a sua opinião, eu estou apenas expondo a realidade.
      Respondo a sua pergunta: "Aí eu te pergunto a mulher que é vegetariana viverá sua existência somente comendo feijão e vegetal?" Sua noção quanto às comidas que restam além da carne, pelo que pude perceber, necessita de muito mais conhecimento. Gostaria que você pesquisasse melhor sobre o assunto, para um entendimento particular mesmo.
      Respondendo a outra pergunta: " Provavelmente se eu comesse só vegetal, será que eu conseguiria durar um mês?" Fique tranquilo, você não morrerá em um mês se deixar de se alimentar de animais. Mas, como eu não sou nutricionista, recomendo que você procure um. Ele vai explicar tudo o que você precisa saber sobre o assunto.
      Que bom que gostou da minha análise do livro! Acredito que você irá adorá-lo!
      Um abraço.

      Excluir
    2. Ah! Os homens e as mulheres possuem as mesmas necessidades. Igualdade.

      Excluir
  2. Caracas, que livro pesado.Sério, me interessei pelo modo como ele retrata a nossa sociedade.A resenha me interessou muito :)
    Obrigada pela indicação!

    beeijão :)
    http://www.carolhermanas.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Thamiris. Sim, como você mesma disse, essa é a minha opinião. Tomara que você esteja certa e o mundo se torne vegetariano, no entanto será que essa realidade é possível? Se for possível eu não teria problema algum em me tornar um vegetariano. Você sabe a porcentagem de vegetarianos que existem no Brasil? Eu não sabia que o número vem aumentando no país. Desculpe-me se em algum momento eu tenha lhe ofendido, não era essa minha intenção.

    ResponderExcluir
  4. Oii!

    Eu li esse livro e amei, assim como todos os livros do autor. Gosto do contexto e do suspense que é feito.

    beijos

    www.mecontanoblog.com

    Ps. Participe do sorteio e concorra a três livros incríveis.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi!
      Fomos duas, então. ❤
      O suspense é maravilhoso!
      Beijos

      Excluir
  5. Oi Thami,
    Ainda não li esse livro, mas já tive um contato com o autor que me surpreendeu muito.
    Sobre essa obra em especial, só vejo elogios. Não é um gênero que eu leia com frequência, mas mesmo assim me sinto curiosa e empolgada para começar a leitura.
    Beijos
    http://estante-da-ale.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Alessandra!
      Esse foi o meu primeiro contato com Raphael Montes.
      É bom saber que você se sente empolgada, se algum dia ler, me fale!
      Beijos

      Excluir
  6. Oi Thami, como sempre, mais uma resenha impecável.
    Ler esse livro com você foi maravilhoso e esta foi, sem dúvida, a melhor leitura que fizemos em conjunto. Esse livro mudou minha forma de pensar.
    Beijos ♥

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Bru.
      Obrigada pelo carinho!
      Fico feliz que o livro tenha mudado a sua forma de pensar.
      Beijos

      Excluir

Seu comentário é muito importante. Obrigada!

Obs.: Caso você não tenha uma conta no Google e não saiba como comentar, escreva o que deseja na caixa de texto acima e na opção "comentar como" selecione "Nome/URL", preenchendo somente o campo nome.

E-mail para contato: thamirisdondossola@hotmail.com