quarta-feira, 14 de dezembro de 2016

O que me faz pular - Naoki Higashida

Olá, pessoal!

Vou começar o post de hoje com uma pergunta: o que vocês sabem sobre o autismo? Eu, por exemplo, ainda acredito que sei muito pouco, mas o livro O que me faz pular me fez saber um pouquinho mais do que eu sabia sobre o assunto. Sabe quando você tem a sensação de que deveria ter lido aquele livro antes? Eu não consegui parar de pensar sobre isso quando comecei a ler esta obra de Naoki Higashida.


"A verdade é que amamos ter companhia. Mas, como as coisas nunca dão certo, acabamos nos acostumando com a solidão sem sequer perceber como isso aconteceu. Toda vez que escuto alguém comentar o quanto eu prefiro ficar sozinho, isso me faz ficar solitário demais. Sinto como se eles estivessem me mando um gelo de propósito."



Quem me indicou o livro foi a Ana Paula Mendes, minha colega do curso de Letras. Eu achei a proposta muito bacana e decidi que iria ler. De fato o fiz, e em pouco tempo! Mas você deve estar se perguntando: afinal, como é esse livro?

O que me faz pular foi escrito por Naoki Higashida aos treze anos de idade. Naoki é autista severo e por meio de uma invenção que envolve uma cartela de papelão, ele conseguiu escrever seu livro. A estrutura da obra é formada por perguntas. Naoki intitula cada parte do livro com uma pergunta frequente que as pessoas fazem sobre os autistas e, em seguida, as responde. 

Gostaria de indicar a obra para todas as pessoas, sem dúvida alguma é diferente você ler as próprias palavras de um garoto autista e ler um artigo na internet. Naoki conversa com o leitor e explica as causas para alguns acontecimentos que envolvem o comportamento de crianças autistas. E isso com uma sensibilidade sem igual. Super indico!

2 comentários:

  1. Helloo, Thami! Tudo numa nice?!
    Quando vi seu post aqui desse livro precisei conferir sua experiência sobre a obra. Coincidentemente, uma colega do meu curso de Letras chamada Ana Paula, há alguns meses propus que fizéssemos um artigo cientifico sobre o autismo. Ela é bastante entendida desse assunto e gosta de propagar as questões para que as pessoas fiquem mais cientes. Eu super entrei às cegas na questão de fazer o artigo, mas fui estudando e entendendo certas coisas. Lembro que quando eu era criança assisti a um filme que tratava de uma criança autista e lembro de ter ficado impaciente com o comportamento e às vezes eu nem entendia porque a criança gritava e ficava sozinha e até chegou a agir de forma violenta diante de uma determinada situação. Depois que comecei a trabalhar para o artigo eu comecei a ver tudo e associar os comportamentos do autista do filme aos casos de autistas estudados. Ficou tudo tão claro na minha mente.
    Acho que no ano passado eu tinha visto esse livro no skoob, mas não tinha me chamado bastante atenção até porque eu só tinha visto a capa e não tinha lido a sinopse. Mas um dia desses eu decidi saber do que se tratava e fui ler. Gostei bastante e em certas perguntas eu senti vontade de chorar ao conhecer mais de perto o que um autista pensa. Eu realmente gostei e fiquei fascinada com ele pela habilidade que desenvolveu para escrever dessa forma. Todas as perguntas são concernentes e que muita gente tem dúvida - algumas eu me perguntava e outras tinha observado pelos casos que havia estudado. Enfim, eu gostei e como você mesma disse é importante todo mundo ficar ciente dessas coisas para saber como agir propriamente. Da mesma forma que eu acredito que todo mundo deveria aprender língua de sinais - porque seria tão mais fácil para se comunicar com todo mundo e não haveria exclusão. Enfim, são só opiniões e ideias. Que bom que você fez a leitura e resenha desse livro porque assim propaga mais conhecimento sobre o autismo para as pessoas.
    Beijin...
    Pieces of Alana Gabriela

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Alana! Tudo ótimo e com você?
      Tive uma experiência semelhante. Eu fui monitora de uma turma esse ano, onde havia uma criança autista. Passei boa parte do ano sem entender o seu comportamento, mesmo já tendo feito um trabalho sobre isso e ter lido um pouco sobre o autismo na internet. Depois que li esta obra, muitas coisas clarearam a minha mente, por isso eu disse que tive a sensação de que deveria ter lido antes.
      Na verdade esse post não é uma resenha, é apenas um post para indicar um livro que eu acredito que merece ser lido por todo mundo. E sim, concordo com o seu ponto de vista sobre todos saberem Libras.
      Muito obrigada por compartilhar sua opinião conosco, Alana.
      Um super beijo!

      Excluir

Seu comentário é muito importante. Obrigada!

Obs.: Caso você não tenha uma conta no Google e não saiba como comentar, escreva o que deseja na caixa de texto acima e na opção "comentar como" selecione "Nome/URL", preenchendo somente o campo nome.

E-mail para contato: thamirisdondossola@hotmail.com