sábado, 30 de julho de 2016

Resenha: Minha Vida de Menina - Helena Morley


Sinopse: Muito mais do que o diário de garota de provínciado final do século XIX, Minha Vida de Menina antecipa a voga das histórias do cotidiano ao traçar um retrato vital e bem-humorado do dia a dia em Diamantina entre 1893 e 1895. Publicado pela primeira vez em 1942, o livro é um painel multicolorido daquele momento histórico singular no Brasil, com o sabor e a vivacidade de um diário de adolescente.






Minha Vida de Menina é um diário autobiográfico escrito por Helena Morley de 1893 a 1895. Helena costumava escrever por incentivo de seu pai, e em 1942, período modernista, o diário foi publicado. 

Helena morava em Diamantina no estado de Minas Gerais e em Minha Vida de Menina há muitas informações acerca dos costumes das pessoas que viveram em Diamantina nos anos de 1890. Mas, junto dessas informações, há também as ideias e pensamentos de uma jovem menina espirituosa, sincera e inteligente. E essa é a melhor parte do livro: conhecer, ao longo das páginas lidas, um pouquinho mais de Helena e saber as suas impressões a respeito das coisas que a cercam.

“Poderá alguém compreender como é que uma pessoa que gosta muito de outra tenha jeito de aborrecê-la?” 

A linguagem de Minha Vida de Menina é, apesar de cheia de características regionais, de fácil entendimento. A obra é muito interessante para ser trabalhada nas escolas explorando o gênero textual diário e o gênero autobiografia, além de, caso for preciso trabalhar conteúdos léxico-gramaticais, é também possível explorar as pessoas gramaticais com o livro. Minha Vida de Menina me lembrou de livros que estão mais presentes no cotidiano das crianças e adolescentes, como Diário de Um Banana e O Diário de Anne Frank. Por conta disso, creio que Minha Vida de Menina tem grandes chances de ser uma obra bem aceita diante dos jovens de hoje.

Depois que engatei na história, fiquei me perguntando o motivo de não ter lido a obra antes. Ao mesmo tempo em que você conhece um pouco mais da história da cidade e da chácara em que Helena mora, também vai se encantando com as ideias curiosas e os pensamentos inteligentes da menina. Mas preciso ser sincera, houve momentos em que me senti um tanto entediada. Foram pouquíssimos, portanto julguei ser normal. Fora isso, a leitura foi uma delícia!

“Para que Deus castiga assim a todos nós que nunca fizemos mal a ninguém?”

A personalidade de Helena é o que a diferencia das demais meninas da região. Ela sente inveja e deixa isso bem claro para o seu diário. Ela sabe que sentir inveja é errado, mas sente mesmo assim. Como controlar nossos sentimentos? Além do mais, a menina é apaixonada por crianças e demonstra ter um bom coração, pois não diferencia crianças negras de crianças brancas, Helena gosta de todas, não importa a sua cor. Apesar disso, quanto aos adultos, talvez por viver em uma época de pós-abolição da escravatura, Helena e basicamente todos os outros personagens ainda mantinham leves pensamentos compostos de preconceito, mesmo havendo gratidão entre os negros e os brancos.

Há duas partes que ganharam a minha preferência. Uma acontece quando Helena vai substituir por alguns dias a sua tia, professora de uma escola. É engraçada a forma como ela descreve a situação. Se sente desesperada diante dos meninos endiabrados e jura que jamais será professora. Me identifiquei com Helena, torcendo pra que quando o meu momento chegar, seja diferente do dela. E a outra parte é quando a avó de Helena fica doente, meu coração ficou machucado junto com o dela. Essa parte é a parte mais emocionante da obra.

“Pus a mão na cabeça e pensei: “Está decidido! Tudo na vida, menos mestra de escola. Se eu passar mais um dia como este, fico maluca”.”

Minha Vida de Menina é uma leitura muito leve e informativa, pois é no cotidiano de Helena que os costumes daquela região são expostos. Senti vontade de entrar numa máquina do tempo e passar uns tempos em Diamantina naquela época, para conhecer tudo mais de pertinho. Acredito que o livro tem o poder de despertar essa vontade nas pessoas que o leem. Seja pela forma como Helena escreve o seu diário ou pela simples curiosidade que o mesmo desperta no leitor. 


22 comentários:

  1. Oi Thami! Que legal, n conhecia esse livro! Achei a proposta muito interessante, ler livros dessa época aqui no Brasil, ainda mais o diário de uma jovem menina.
    Bjs
    http://acolecionadoradehistorias.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Oi Thamires!
    Não conhecia o livro, mas achei sua resenha incrível. Adorei saber que apesar de ser um livro antigo, tem uma linguagem fácil, ótimo pra agradar todo tipo de leitores. Pena que tem momentos entediantes. Pelo que você falou, gostei da Helena, ela tem defeito sabe disso. Não fica fingindo que não, gostei disso. Achei o enredo bem interessante, fiquei curiosa.
    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo comentário sobre a resenha. ♥
      E fico feliz por ter despertado a sua curiosidade.
      Beijos

      Excluir
  3. Olá! Ao ler a sinopse da resenha tive a impressão de que esse livro era daqueles bastante entediantes, porém, ao longo da resenha, você evidenciou bastante que é uma leitura fácil e bacana. No entanto, não é um livro que eu leria. Achei bem interessante a parte que fala dos preconceitos baseados no contexto histórico, é algo bem interessante de se ler, ainda mais do ponto de vista de uma garotinha. Beijos.
    http://thehouseofstorie.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Foi justamente por causa dos "meninos endiabrados" que desisti de estudar letras. haha
    Sou grande fã de livros em forma de diário, e quando é uma autobiografia sobe ainda mais no meu conceito. É interessante conhecer um momento histórico através dos olhos de alguém que viveu nele, como no caso de diário de Anne Frank.
    Sou apaixonada pela história mineira, então esse livro me conquistou logo pela sinopse. Ainda mais sabendo que se passa na Diamantina do século XIX.

    Confissões de uma Mãe Leitora

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ai, ai, ai! hahaha. Tenho certeza de que você vai gostar do livro, então.

      Excluir
  5. Olá, eu não conhecia a obra e achei muito bacana a maneira com que você falou dela. Deu para perceber o quanto a leitura foi fluida e agradável para você e fiquei curiosa para conhecer um poco mais sobre a história, mas no momento não é algo que eu procure para ler, só que com certeza eu vou querer ler.

    ResponderExcluir
  6. Olá Thami,
    Meio que acompanhei seu processo ao ler esse livro e as coisas que queria fazer com ele na escola. Confesso que não imaginava que o livro era assim e achei a história bem interessante. Como você colocou, apesar de Helena saber que é errado sentir inveja, ela o sente, pois é impossível, por vezes, controlarmos nossos sentimentos. Além disso, fiquei bem curiosa para conhecer essa parte da avó que fica doente e estou me perguntando se ficaria tocada com a leitura.
    Dica anotada Thami.
    Beijos ♥
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Bru!
      Eu acho que você iria gostar de ler. ♥

      Excluir
  7. Olá
    Nossa que fantástico esse livro deve ser em? Eu não sabia de sua existência, mas gostei de conhece-lo. Eu gosto de livros assim que vai retratando coisas do possa do tipo diário mesmo. Quando eu puder sem dúvidas irei comprar o livro, obrigado pela super dica que me deu. Adorei a sua resenha, e suas considerações também. Ate mais vê amore
    Bjkss

    ResponderExcluir
  8. Oi Thami, pelo que vejo o livro trás uma leitura simples e leve, que cabe perfeitamente nas estantes das escolas, ou seja, ao livro é daqueles tipos de livros que gostamos de ler quando estamos na escola e tal. Fico feliz em ver que você gostou e sobre esses momentos de destaque fiquei pensando aqui nessa parte que a a avó da Helena fica doente. Deve ser triste mesmo. Enfim, dica mais que anotada.

    Beijos
    Vento Literário / No Facebook / No Twitter

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Que bom que gostou da dica!
      Obrigada pela visita. ❤

      Excluir
  9. Ei, como tu vai? A história não me interessou muito, apesar da premissa 'histórica', achei meio monótona. Pode ser pelo meu engajamento momentâneo no terror, todo resto parece sem graça, haha. De qualquer forma, a capa é muito bonita de uma forma peculiar - ela tem tudo pra ser feia, as cores são estranhas mas tudo fica bem harmônico. Beijos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É uma pena que não tenha te interessado.
      Acho a capa muito linda!
      Obrigada pela visita.

      Excluir
  10. Ai que legal, adorei a premissa, gosto de livros que contenham diário e historias antigas, com certeza procurarei para uma próxima leitura.

    Beijos

    Viviana

    ResponderExcluir
  11. Olá Thamiris! Cheguei pelo blog da Hel (Leituras e Gatices). Li este livro há muito tempo e adorei, ele é ingênuo e singelo. É interessante para conhecer os costumes daquela época e como você escreveu, sentimos vontade de ter uma máquina do tempo para dar uma espiada naquela época. E também é instigante conhecer a rotina de uma menina em um período que não existiam blogs, internet, redes sociais etc. É um livro adorável. Abraço!

    ResponderExcluir
  12. Olá. E olha só entrou para a lista dos livros obrigatórios da fuvest 2018. Sua resenha me despertou curiosidade. Obrigado. 🌱🍃🍂

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, tudo bem?
      É muito bom saber disso, faça uma boa leitura!
      Beijocas

      Excluir

Seu comentário é muito importante. Obrigada!

Obs.: Caso você não tenha uma conta no Google e não saiba como comentar, escreva o que deseja na caixa de texto acima e na opção "comentar como" selecione "Nome/URL", preenchendo somente o campo nome.

E-mail para contato: thamirisdondossola@hotmail.com