sábado, 28 de novembro de 2015

Lúcia, Lindinalva e o rótulo da prostituição

Embora não seja idêntico aos séculos passados, o rótulo dado a prostituição em pleno século XXI ainda é um fantasma que nos assombra. Isso porque, no passado, as pessoas costumavam caracterizar a mulher ideal. A mulher era vista, de modo geral, como uma figura pura e angelical. Lúcia, personagem do livro Lucíola, de José de Alencar, e também Lindinalva, personagem criada por Walcyr Carrasco em uma adaptação novelística do romance Gabriela Cravo e Canela, de Jorge Amado, são exemplos que ilustram tal perfil ideal de formas diferentes. Mas, ao mesmo tempo, elas se desviam dessa incrédula idealização, pois ambas são prostitutas rotuladas pela sociedade. 

Lúcia passou por uma transformação para ocupar um posto que exemplifica a mulher ideal. Ela transitou da vida pecaminosa de uma prostituta a vida de uma senhora imaculada, ou seja, a característica imposta pelos quase inacreditáveis costumes sociais do século XIX que definiam a idealização da mulher. Nessa transformação, a protagonista do romance não pôde obter sua virgindade novamente, mas conseguiu alcançar outro tipo de virgindade, a do coração. Dessa forma, me questiono: Por que Lúcia não poderia ser idealizada com sua alma e costumes de meretriz?

Caminhando no sentido oposto, mas com uma característica em comum com Lúcia, a personagem Lindinalva, da adaptação novelística de Gabriela Cravo e Canela, também faz uma espécie de transição. Lindinalva é uma moça ingênua e pura, ou seja, a espécie arquitetada pelos olhos sociais. Além do fato de estar noiva e prestes a se casar. Mas, conforme algumas decorrências do destino, ela acaba por se tornar uma prostituta do “Bataclã”. Neste momento, apesar de permanecer forte internamente, Lindinalva perde toda a sua credibilidade perante a sociedade. 

Lúcia e Lindinalva são mulheres. Ambas carregam os motivos que as levaram à prostituição. Se isso aconteceu por opção ou não, pouco importa, a questão a que quero chegar é outra. Essas mulheres foram vítimas das consequências de suas vidas e nem por isso deixaram de nutrir sentimentos puros e singelos por si, pelos outros e pela própria existência. Por qual razão isso não é imposto na idealização? Amar verdadeiramente deveria ser uma regra que todos deveriam cumprir. Lúcia e Lindinalva receberam muito mais que algumas ofensas covardes e olhos revirados, elas foram vítimas do preconceito. Mas, admiravelmente, enfrentaram os julgamentos com a cabeça erguida.

Logo, fica perceptível que a prostituição, conforme o pensamento da sociedade de modo geral, faz o desvio do perfil feminino ideal. Nenhuma senhora que não seja pura será vista com olhos acolhedores. Mas a mulher é dona do seu próprio corpo e deve fazer dele o que bem entender. É necessário que esse perfil ideológico se quebre por completo. Lúcia e Lindinalva, por exemplo, souberam ignorá-lo. Não estou diretamente incentivando a prostituição, estou incentivando a vontade individual e os desejos reprimidos. Precisamos aplaudir Lúcia e Lindinalva por sua atitude e força, e acabar com os vestígios do ato de rotular as pessoas que ainda nos cercam.

Por Thamiris Dondóssola.

10 comentários:

  1. Olá, Thamiris! Como vai?

    Gostei do texto e realmente, a mulher ideal é aquela que cuida de si própria e faz de si o que bem entender, sem ter que aceitar rótulos impostos pela sociedade!

    Beijos!
    Participe do sorteio #SomosTodosIguais no Irmãos Livreiros

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada por compartilhar sua opinião, Daniel.
      Fico feliz que tenha gostado!

      Excluir
  2. Oi...
    Já tinha lido o texto lá no UOH e gostei bastante ! Mais uma vez ... Parabéns :)
    Suas palavras são lindas e concordo plenamente com você .
    Beijos

    http://coisasdediane.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá,
      Muito obrigada querida! É bom saber disso.
      Beijos

      Excluir
  3. Olá! Adorei o texto, bem reflexivo! Suas palavras são verdadeiras demais, quantas mulheres por aí que passam constantemente por esse preconceito e sofrem horrores com ele. Se fizer está errado, se falar está mais errada ainda... Acho que é como se quisesse gritar e não conseguir.
    Parabéns pelo texto!
    Beijos
    www.lendoeapreciando.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Kamila,
      Obrigada por compartilhar sua opinião. E obrigada pelo carinho!
      Beijos

      Excluir
  4. Tha,
    Não me canso de dizer o quanto seus textos são incríveis, mas esse esta ainda mais. As mulheres são constantemente rotuladas de prostitutas quando, por vezes, não o são. E isso acontece, justamente por isso que você falou: O rótulo é aplicado porque foge do do perfil feminino perfeito.
    Mais uma vez, amei seu texto.
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Me surpreendo cada vez que entro no seu blog! Me alegra demais saber que mais pessoas pensam como eu e que não sou uma louca defendendo uma ideia de igualdade e liberdade!
    Parabéns pelo texto Tha! Você expressou de forma muito inteligente sua opinião, coisa que não vejo com frequência por ai!

    Beijos

    ps: já te mandei email, mas você ganhou a resenha premiada lá do blog!

    www.ooutroladodaraposa.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Raissa, isso me deixa bastante feliz. Muito obrigada ♥

      Excluir

Seu comentário é muito importante. Obrigada!

Obs.: Caso você não tenha uma conta no Google e não saiba como comentar, escreva o que deseja na caixa de texto acima e na opção "comentar como" selecione "Nome/URL", preenchendo somente o campo nome.

E-mail para contato: thamirisdondossola@hotmail.com