sexta-feira, 30 de outubro de 2015

Resenha: As Memórias Perdidas de Jane Austen



Sinopse: Um dos maiores nomes da literatura inglesa, Jane Austen escreveu clássicos como Orgulho e preconceito. Embora seus livros tenham interessantes histórias de amor, a vida amorosa da autora nunca foi considerada notável. Esse foi o ponto de partida para Syrie James, estudiosa de Austen, criar uma versão romanceada sobre a vida da aclamada escritora. E se memórias escritas pela própria Austen fossem descobertas, revelando um grande caso de amor? Escrito em um estilo próximo ao da própria escritora britânica, As memórias perdidas de Jane Austen é um livro notável, irresistível para qualquer um que ame Jane Austen – ou grandes romances.




Imagine ler algo que o escritor do seu livro favorito escreveu, falando da sua própria vida, narrando um fato que aconteceu com ele mesmo? Não é incrível? Ah! É sim, é muito! 

“As Memórias Perdidas de Jane Austen” foi um livro organizado por Syrie James. O conteúdo trata-se de uma série de relatos feitos por Jane Austen aproximadamente na época em que ela já se encontrava doente, prestes a morrer. Relatos reais, que de fato, aconteceram com ela. Mais precisamente, Jane narra a história de dor e amor que viveu com um homem, o senhor Frederick Ashford e a realidade em que vivia, sendo solteira e não podendo ganhar seu próprio dinheiro trabalhando.

Essa história levantou dúvidas em muitas pessoas, pois se constata não haver registros de nenhum Frederick Ashford que viveu nas proximidades em que Jane descreveu, na época em que escreveu suas memórias. A organizadora desse livro elabora então, uma questão: Jane, de fato, viveu esse amor e quis preservar sua imagem inventando um nome fictício para ele? Ou essa história pode ser em parte, inverídica? Eu, particularmente, me propus a acreditar e estou acreditando na primeira hipótese.

“ – A escolha é tudo o que temos, mamãe – afirmei, enfática. – Se algum dia eu me casar, será por amor. Um amor profundo, verdadeiro e apaixonado, baseado em respeito, estima, amizade e uma convergência de mentes. Nunca, nunca por segurança financeira.”

Jane Austen queria ser lembrada. Após a morte de seu pai, ela, a mãe e a irmã viveram inconstantemente, não tinham um lar fixo e se mantinham das boas ações dos irmãos homens mais velhos. Afinal, naquela época, no século dezenove, as mulheres não trabalhavam para se sustentar. O sonho de Jane era ver seus livros publicados, para que ela pudesse finalmente, ganhar seu próprio dinheiro e não depender de outras pessoas. Essas descrições, em particular, me fizeram refletir muito. Apesar de toda a situação incômoda em que se encontrava, Jane continuava a escrever seus livros, tinha bom humor e seu sonho permanecia vivo.

“Se ao menos houvesse algum modo de eu ganhar meu próprio dinheiro. É tão injusto. Os homens podem escolher uma profissão e, com trabalho árduo, adquirir riquezas e respeito, enquanto nós somos forçadas a ficar em casa, completamente independentes. É uma grande indignidade.”

Todas as pessoas que estavam a sua volta diziam que Austen tinha um dom. Jane menciona o processo de criação dos seus livros, entre eles, “First Impressions”, que hoje é conhecido por “Orgulho e Preconceito”. Muito do que Jane viveu, se refletiu nas obras que a autora escreveu. Não vou entrar em detalhes a respeito disso, acredito que todo admirador da autora iria adorar saber suas inspirações e, nesse livro, “As Memórias Perdidas de Jane Austen”, encontramos boa parte delas.

- O que isso importa? No final, o talento vai vencer. Você quer ser uma romancista publicada?
- É tudo que eu sempre quis.
Seus olhos se encontraram com os meus, quando uma brisa súbita agitou os galhos das árvores acima de nós.
- Então você será uma romancista publicada, Srta. Jane Austen.

Jane Austen tinha uma visão muito a frente de seu tempo, na personalidade de Elizabeth Bennet, por exemplo, conseguimos observar isso. Mas essa visão pertencia a própria Jane também. E foi gratificante conhecer mais a fundo o seu ponto de vista.


14 comentários:

  1. Oii Thamiris! Tudo bom?
    Ainda não li nenhum livro da Jane, mas sou louca pra ler e com essa sua resenha a vontade só aumentou, principalmente após ver os pensamentos revolucionários de Jane pra sua época. É realmente muito bacana isso. Só em ler esses pequenos trechos que você deixou já da pra ter uma noção personalidade dela e o quanto isso é cativante.
    E mesmo não tendo lido o livro também quero acreditar que ela teve essa história de amor com o senhor Frederick Ashford ♥
    Gostei bastante da sua resenha e As Memórias Perdidas de Jane Austen já entrou pra minha lista de leitura :)
    Estante de uma Fangirl

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Daniela,
      Muito obrigada! Ah, que alegria! Também prefiro acreditar nessa história de amor.
      Beijos

      Excluir
  2. Oii
    Eu sou uma pessoa desfiada por natureza, então não sei se seria possível escrever em tantos detalhes sobre a vida de Jane.
    Mas, mesmo que nem tudo no livro seja verídico, é legal fantasiar sobre a vida da autora. Afinal ela escreveu muitos romances, poderia muito bem ter se inspirado em alguns fatos reais... Quem sabe né? haha

    Beeijo
    www.ooutroladodaraposa.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Raissa,
      Neste livro de memórias é possível chegar a conclusão de que ela se inspirou sim em fatos vividos por ela mesmo.
      Beijos

      Excluir
  3. Oi ...
    A Jane é incrível !
    Já vi esse livro na livraria , mas , não sabia de seu conteudo . Agora quero muito ler e já botei nos desejados .

    http://coisasdediane.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oi Thamiris, tudo bem?

    Nunca li nenhum livro da Jane Austen, mas vejo as pessoas falando muito bem da escrita dela. Eu acho que a história deve ter algumas partes verídicas e outras fictícias. Acho que não deve ser 100% verídico.

    http://sweetlikecaramel.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Nazare,
      Pois é, cabe a nós decidir acreditar ou não.
      Beijos

      Excluir
  5. Oi, tudo bom?
    Nunca li nada da Jane Austen, por não gostar de livros de época não consigo me interessar por seus livros. Porém todo mundo fala muito bem dela.
    É uma pena que ela tenha vivido no século errado, e é incrível que ela já pensava daquela forma.
    Beijos, lendocomabianca.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Bianca,
      Sim, Jane esteve a frente do seu tempo.
      Beijos

      Excluir
  6. Oi Tha,
    Adorei sua resenha.
    Como sei do seu amor pela Austen, sabia que a probabilidade de você gostar desse livro era grande, mas não imaginava que seria assim. Sempre imaginei a Austen como uma pessoa a frente do seu tempo e acho que adoraria tê-la como amiga. Espero ler OeP novamente e gostar aí, quem sabe, não pego esse para ler?
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  7. Oi Thamiris! Gostei muito da sua resenha, não só porque Jane Austen é minha autora preferida, mas porque você se expressou muito bem :)

    Já li da Jane, "Orgulho e Preconceito" e "Abadia de Northanger", e estou adicionando esse livro agora para a minha fila de leituras...

    Bjim^^
    cafeebonslivros.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito importante. Obrigada!

Obs.: Caso você não tenha uma conta no Google e não saiba como comentar, escreva o que deseja na caixa de texto acima e na opção "comentar como" selecione "Nome/URL", preenchendo somente o campo nome.

E-mail para contato: thamirisdondossola@hotmail.com