domingo, 2 de novembro de 2014

Resenha: O menino do pijama listrado - John Boyne

Sinopse: Bruno tem nove anos e não sabe nada sobre o Holocausto e a Solução Final contra os judeus. Também não faz ideia que seu país está em guerra com boa parte da Europa, e muito menos que sua família está envolvida no conflito. Na verdade, Bruno sabe apenas que foi obrigado a abandonar a espaçosa casa em que vivia em Berlim e a mudar-se para uma região desolada, onde ele não tem ninguém para brincar nem nada para fazer. Da janela do quarto, Bruno pode ver uma cerca, e para além dela centenas de pessoas de pijama, que sempre o deixam com frio na barriga. Em uma de suas andanças Bruno conhece Shmuel, um garoto do outro lado da cerca que curiosamente nasceu no mesmo dia que ele. Conforme a amizade dos dois se intensifica, Bruno vai aos poucos tentando elucidar o mistério que ronda as atividades de seu pai. O menino do pijama listrado é uma fábula sobre amizade em tempos de guerra, e sobre o que acontece quando a inocência é colocada diante de um monstro terrível e inimaginável.


Eu já sabia do que a história se tratava, pois assisti ao filme na escola, quando estava mais ou menos na sexta ou na sétima série. Eu me emocionei bastante e hoje, ao refletir, vejo que foi o “play” para o meu interesse e a minha revolta por alguns acontecimentos da Segunda Guerra Mundial, especialmente o Holocausto.

Bruno é um garotinho muito jovem e gentil. Por conta do emprego do pai, ele é obrigado a se mudar da sua linda casa com cinco andares em Berlim. Bruno vai morar em uma casa muito menor perto de um lugar onde, de sua janela, ele vê muitas pessoas de pijama listrado vivendo num lugar cercado. 

Ele se vê num tédio sem igual e decide, em um belo dia, fazer algo que gosta muito: explorar. Sem que perceba, ele caminha até chegar perto da cerca que vê da janela do seu quarto e encontra Shmuel, um menino de pijama listrado sentado do lado de dentro da cerca. Shmuel e Bruno começam a conversar e manter uma amizade secreta.


A visão de Bruno sobre as coisas é cândida e inocente, um fato que aumenta em tamanho considerável, a dor que eu sinto ao ouvir relatos sobre a realidade do povo judeu durante a guerra. Cada palavra proferida pelo menino em relação ao que observa, é semelhante a uma apunhalada no coração.

“Nada parecido poderia acontecer de novo. Não na nossa época.” Pág. 186

O autor, John Boyne escreveu O menino do pijama listrado em apenas dois dias e é praticamente a obra mais conhecida e mais bem vista do autor. O livro foi traduzido para vários idiomas e transformado em um filme de sucesso. Eu adoraria poder falar com mais clareza qual a minha real opinião sobre essa história, mas ela tão digna e dolorosa, que me faltam palavras. O autor conseguiu construir personalidades doces em uma época em que isso era praticamente inexistente ou invisível. E conseguiu provar também, da sua forma, o quanto “aquilo” que faziam com aquele povo, era assombroso e errado. Assim como “A menina que roubava livros”, também acho que todos deveriam ler “O menino do pijama listrado” em algum momento da sua vida.


26 comentários:

  1. Eu me interesso muito por histórias que se passam na Segunda Guerra e sou louca para ler esse e A Menina que Roubava Livros, parecem ser muito tocantes, daqueles que fazem você se sentir uma droga e lembrar o quanto o ser humano pode ser desprezível. Beijos
    http://chuvacobertaelivros.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que a lembrança de o quanto o ser humano pode ser desprezível aparece com mais frequência do que todos nós gostaríamos.
      São dois livros ótimos, que só acrescentam!
      Beijos

      Excluir
  2. Mas eu chorei tanto lendo esse livro. Acho que mais do que com o filme em si. É um dos livros que mais me emocionou e depois disso eu simplesmente me apaixonei por John Boyne.

    http://laoliphant.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É, este é o único livro que eu li desse autor. É uma história muito emocionante.

      Excluir
  3. Olá Tha,
    Sou apaixonada por esse livro. O Boyne é um dos meus autores favoritos também.
    Eu, simplesmente, amei a história, lágrimas escorriam dos meus olhos a cada página que virava e sempre ansiei por mais eu quis mais. Já disse outras vezes e repito: Sou apaixonada pela história da 2ª GM, tenho uma fissura por ela que não tem tamanho e o Boyne só aumentou isso com a história do Bruno ♥
    Amei a sua resenha, está perfeita, como sempre :)
    Beijos
    http://mileumdiasparaler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Bruna,
      Muito obrigada, é sempre muito bom saber sua opinião. Este foi o único livro do autor que eu li até então, mas pretendo poder ler outras obras.
      Beijos

      Excluir
  4. oi ^^
    eu já vi o filme, e por isso não consigo mais me imaginar lendo o livro, mas se algum dia eu conseguir ler, eu ficarei muito feliz pois tenho certeza de que se o filme já é bom, o livro só tende a ser melhor ainda :D
    adorei sua resenha, acho que também me revoltei muito ao ver o filme, mas hoje eu entendo o lado de cada um. Hitler era mau, era! mas Hitler também tinha seu lado e suas percepções, ele fazia tudo errado, mas tudo da maneira que achava certo; é confuso né? mas fazer o que... rsrs beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Aliscia,
      É, acho que pelo fato de eu ter visto o filme há muito tempo, acabei não levantando essa questão.
      Cada um tem sua forma de pensar, rs.
      Obrigada pela visita!
      Beijos

      Excluir
  5. Eu já li esse livro, achei ele lindo. Triste, porém lindo.

    • Acompanhando seu blog e sua página. Se quiser conhecer meu blog e minha página os links são esses ...
    • Blog http://cantinhodacarolll.blogspot.com.br/
    • Página https://www.facebook.com/pages/Luxuoso-Estilo/175631289312048?ref=bookmarks

    ResponderExcluir
  6. Amei o seu blog, o design é incrivel! Beijos

    http://resumindoestrelas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Oi Tha, tudo bem?

    Li esse livro tem um tempo, devia ter uns 17 anos e não curti a leitura. Achei arrastada e acabei desistindo. E olha que eu adoro livros que se passem nesta temática da Guerra. Mas pra mim não funcionou. Até quero ler de novo... vamos ver

    beijos
    Kel
    www.porumaboaleitura.com.br

    ResponderExcluir
  8. Oiii!

    Adorei sua resenha! E eu sou APAIXONADA por esse livro! O John Boyne é o meu autor favorito, ele tem esse dom de criar personagens adoráveis em ambientes em que julgamos ser praticamente impossível que isso exista.
    Se você gostou desse livro, indico "O Garoto no Convés", também do John Boyne! Eu adorei!!
    Parabéns pelo blog e pela resenha!

    Beijos!
    www.meuqueridolivro.wordpress.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá,
      Muito obrigada!
      Vou procurar esse livro, obrigada também pela indicação.
      Beijão

      Excluir
  9. Adorei a sua resenha, o modo como escreveu :)
    Bom, eu li esse livro esse ano para um trabalho sobre o Holocausto que fiz com a escola e fiquei com o coração apertado em algumas partes, porém achei a linguagem simples.
    Se você quiser visitar meu blog: www.choqueliterario.blogspot.com.br tem uma resenha lá desse livro também, beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ah, que bom! Muito obrigada.
      A linguagem é bem simples mesmo, por esse motivo o aperto no coração, rs.
      Beijão

      Excluir
  10. Oi Thamiris, tudo bem linda?
    Adorei sua resenha! Li esse livro a uns 2 anos atrás e também adorei a leitura, tanto que pretendo relê-lo assim que possível!
    Poxa, não sabia que o John Boyne tinha escrito a história em apenas 2 dias.
    A inocência do Bruno é realmente o fator mais interessante e um dos mais emocionantes do livro, pois na cabeça dele o pai é uma pessoa boa que pode até ajuda o Shmuel a encontrar o pai.
    É um livro lindo, que traz uma amizade verdadeira e inocente e ainda nos mostra um pouco do que era a 2° guerra mundial! Recomendo demais também...

    Beijo :*
    http://www.livrosesonhos.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Maiara, tudo bem e com você?
      Pois é, fiquei impressionada com esse detalhe, apenas dois dias!
      Fico feliz por ter gostado da resenha, muito obrigada.
      Beijão

      Excluir
  11. Oi flor, primeiramente parabéns...pelo blog e pela resenha. Esse livro está na minha lista faz um tempinho, mas ainda não tive a oportunidade de ler.

    Beijokas da Quel ¬¬
    http://literaleitura2013.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Esse livro me deixa no chão. Chorei muito e ainda choro quando assisto o filme. Já faz algum tempo que li, mas cada momento emocionante permaneceu.
    Bjim!
    Livreando

    ResponderExcluir
  13. Esse livro eu passo longe, acho que se com o filme eu quase morri de chorar imagina com o livro? Nem quero chorar, já não basta minhas provas se encarregarem desse serviço.

    http://penelopeetelemaco.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Estranhamente eu não chorei com o livro... Mas com o filme foi impossível.

      Excluir
  14. Olá!

    Eu amo demais esse livro! Tanto que fizemos um projeto relacionado aos dias escuros do Brasil e o tão terrível holocausto.
    O que mais me impressionou durante o livro foi o fato de Bruno ser tão inocente, o que acaba fazendo com que fiquemos um tanto quanto irritados, mas que acaba se desvanecendo à medida que o final chega.
    Simplesmente uma maravilha escrita por John Boyne.

    Beijos,
    Luiz Henrique (Luke)
    instanteliteral.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá,
      Nossa que interessante. A inocência de Bruno é um ponto importantíssimo. Talvez a história não seria a mesma se ela não estivesse presente.
      Obrigada pela visita!

      Excluir

Seu comentário é muito importante. Obrigada!

Obs.: Caso você não tenha uma conta no Google e não saiba como comentar, escreva o que deseja na caixa de texto acima e na opção "comentar como" selecione "Nome/URL", preenchendo somente o campo nome.

E-mail para contato: thamirisdondossola@hotmail.com