sexta-feira, 24 de outubro de 2014

Reflexão: Livro "Lad"

Olá leitores, como estão?
Estou um pouco afastada daqui por um único, mas não simples, motivo: TCC. Eu vou me formar no final desse ano, em dezembro e estou muito ligada ao processo de conclusão do meu trabalho final. Está exigindo muito de mim. Não somente enquanto eu estou estruturando ele, e sim, sempre. Para resumir: O TCC está tomando conta do meu pensamento. 

Eu iniciei a leitura de um livro há algumas semanas e ainda não consegui concluir. Estou quase no final e assim que terminar farei uma resenha sobre ele (espero terminar neste fim de semana). O livro se chama “Lad: Um Puro-Sangue de Corpo e Alma”, escrito por Albert Payson Terhune. Mas, enquanto não concluo a leitura, vou compartilhar com vocês uma pequena parte do livro que me emocionou muito e me fez refletir bastante:



Quatro de nós discutíamos qualquer assunto, como os homens costumam fazer, após o jantar, na frente da lareira. Alguém perguntou qual era a visão mais triste do mundo.
Um engraçadinho entre nós disse que era um homem entre duas mulheres que brigavam; um sentimentalista argumentou que era uma criança perdida. O dono de cães corrigiu a frase: um cão perdido.
Claro que ninguém concordou com ele; mas isso se deve ao fato de que nenhum deles realmente conhece os cães, a psicologia deles, sua alma, se você preferir. O dono de cães estava certo. Um cão perdido pelas ruas da cidade é a visão mais triste e mais sem esperança de todo o cenário triste e cotidiano de uma cidade.
Um homem que tente apaziguar uma briga entre duas mulheres merece a piedade de seus companheiros. Mas isso é uma visão quase grotesca para ser chamada de triste.
Uma criança perdida? Não. Deixe uma criança ficar sozinha na calçada e começar a chorar. Em menos de um minuto, quinze amadores se tornam salva-vidas profissionais tentando ajudar a pequena criatura. Em uma hora, no máximo, ela já estará sob os cuidados de seus guardiões desesperados.
Um cão perdido? Esse, sim. Nem uma alma aparece para socorrê-lo. Uma gangue de garotos talvez comece a persegui-lo, mas não em sinal de preocupação. Um policial que esteja querendo quebrar o recorde de assassinatos de cachorros “loucos”. Um funcionário da carrocinha buscando seu prêmio. São esses os membros do grupo que prestariam atenção no animal perdido. Porém, mais uma vez, não em sinal de preocupação.
Um cão, em alguma esquina da cidade, sente a falta de seu dono; volta ao ponto em que viu seu humano semideus pela última vez; segue em frente novamente, no contrafluxo de outros homens; para, hesita, e começa a mesma manobra mais uma vez; então, para, tremendo de medo, em meio a sua solidão absoluta.
Olhe para seus olhos. Nesse momento, você, que não se importa com tal visão, responda, honestamente: existe alguma coisa mais triste na face da Terra? Tudo isso, antes de ser perseguido por garotos, e o calor da sede e a sombra da devastação se abaterem sobre seu espírito, transformando-o em um forasteiro furtivo.
Um cão perdido é a coisa mais triste que pode ser vista por uma pessoa que entende os cães.

10 comentários:

  1. Oi Thamiris!
    Nem me imagino quando chegar nessa época do TCC, socorro! hahaha
    Mas gente, que livro fofura! Vou esperar sua resenha, muito linda essa reflexão, só quem ama os cachorros entende <3
    Beijos!
    http://acolecionadoradehistorias.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Carol,
      Muito obrigada pela visita! Ah... Isso que o meu TCC é para o meu curso técnico. Fico imaginando quando for o da faculdade, rs. Vou enlouquecer!
      Ah, o livro é um graça... É delicioso.
      Fico feliz que tenha gostado da reflexão.
      Beijão

      Excluir
  2. Oi Thamiris, tudo bem?
    Entendo totalmente sua ausência, pois quase fui a loucura no período do meu TCC, não tinha tempo para nada, nem para respirar direito...rsrs. Mas fica calma gatinha que já já termina!
    Vou aguardar sua resenha pois pelo que li aqui vai valer muito a pena :).

    Beijão ;*
    http://www.livrosesonhos.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Maiara,
      Tudo bem, graças a Deus. E com você?
      Acho que isso acontece com muuuuuita gente né? Inclusive conosco, haha. Mas é assim mesmo, esse período consome a nossa mente, mesmo que esteja num bom nível e já se encaminhando de forma perfeita, a gente nunca está satisfeito. O meu projeto que é criar um website está me enlouquecendo, pois erros na programação é a coisa mais comum de se achar.
      Espero que, quando ler a resenha, goste muito da proposta.

      Beijão e obrigada pela sua visita!

      Excluir
  3. Sei bem como é essa época de TCC... Eu quase enlouqueci com o meu! hehe... Mas no final deu tudo certo. :)
    Sobre o livro, é incrível como histórias com animais sempre nos deixam com um sorriso bobona cara, né?!

    http://maisumapaginalivros.blogspot.com.br/
    Mais Uma Página

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Assim espero, que dê tudo certo! rs
      Ou uma lágrima, né Michelly? No meu caso com esse livro, foi isso o que aconteceu.

      Excluir
  4. Realmente, é uma visão de partir o coração!
    petalasdeliberdade.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Oi Tha,
    Espero que seu TCC fique maravilhoso e que traga boas novas pra você!
    chorei ao ler esse texto. Assim como você, sou uma pessoa que ama animais e não posso - nem quero - vê-los sofrendo. Sempre que eu vejo um cão na rua e lembro que não tenho nenhuma garrafa de água ou um pouco de comida pra lhe dar me dá um aperto no coração. Um dia quero ser capaz de salvar todos esse anjos dos maus tratos e encontrar um lindo lar para eles.
    Amei essa reflexão e espero ler sua resenha em breve.
    Beijos
    http://mileumdiasparaler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Bruna, muito obrigada, espero que suas palavras sejam ouvidas! rs
      Essa sua descrição é realmente o que acontece comigo. Não posso ver um animal na rua e não fazer nada, tenho que, pelo menos, dar-lhe um carinho.
      Fico feliz por ter gostado.
      Beijão

      Excluir

Seu comentário é muito importante. Obrigada!

Obs.: Caso você não tenha uma conta no Google e não saiba como comentar, escreva o que deseja na caixa de texto acima e na opção "comentar como" selecione "Nome/URL", preenchendo somente o campo nome.

E-mail para contato: thamirisdondossola@hotmail.com