quinta-feira, 25 de setembro de 2014

Resenha: Cidades de Papel - John Green

Sinopse: Em Cidades de papel, Quentin Jacobsen nutre uma paixão platônica pela vizinha e colega de escola Margo Roth Spiegelman desde a infância. Naquela época eles brincavam juntos e andavam de bicicleta pelo bairro, mas hoje ela é uma garota linda e popular na escola e ele é só mais um dos nerds de sua turma. Certa noite, Margo invade a vida de Quentin pela janela de seu quarto, com a cara pintada e vestida de ninja, convocando-o a fazer parte de um engenhoso plano de vingança. E ele, é claro, aceita. Assim que a noite de aventuras acaba e um novo dia se inicia, Q vai para a escola, esperançoso de que tudo mude depois daquela madrugada e ela decida se aproximar dele. No entanto, ela não aparece naquele dia, nem no outro, nem no seguinte. Quando descobre que o paradeiro dela é agora um mistério, Quentin logo encontra pistas deixadas por ela e começa a segui-las. Impelido em direção a um caminho tortuoso, quanto mais Q se aproxima de Margo, mais se distancia da imagem da garota que ele pensava que conhecia.

Quentin Jacobsen e Margo Roth Spiegelman são vizinhos desde pequenos. Eles moram no bairro planejado Jefferson Park de Orlando. Quando crianças, Quentin e Margo eram amigos, mas com o passar do tempo acabaram se distanciando, mesmo sendo vizinhos. Margo se transformou na garota popular e Q continuou sendo o garoto bom exemplo. Mas desde sempre, Quentin mantém uma paixão um tanto secreta por Margo.

Numa noite qualquer para Quentin, Margo o surpreende aparecendo com a cara toda pintada e com roupa de ninja na janela do seu quarto, convidando ele para “redefinir o mundo”. Margo tinha um plano de vingança e estava pedindo a ajuda de Quentin, que era completamente apaixonado por ela e obviamente, ele aceitou.

Depois de passar por uma madrugada louca e inesquecível ao lado da deusa que era Margo Roth Spiegelman, Quentin descobre que ela desapareceu. No início, não se preocupou, pois desaparecer era um ato normal para Margo, ela costumava fazer coisas que deixavam as pessoas se perguntando: “dá para acreditar?”, mas quando os dias ultrapassaram os limites de Margo, Quentin foi atrás de pistas para encontrá-la. 

“Ela nunca agia como se gostasse dele tanto assim, mas... ela nunca agia como se gostasse de ninguém tanto assim.” Pág. 26


Quentin é o típico personagem adorável. Ao menos, para mim. Ele é gentil, bem educado e engraçado, além de possuir seus defeitos, como qualquer ser humano. Ele tem uma estranha preferencia pela rotina. Quanto mais tédio, melhor para ele. Já Margo é completamente o oposto de Quentin. Ela é radical, procura por mudanças e abomina a cidade de papel onde mora. 

Ao longo do livro, também somos surpreendidos com a trama de Ben e Radar, os dois melhores amigos do Q. E convenhamos, John Green é John Green. É impossível não se interessar pela vida dos personagens secundários. E, além disso, o livro é um mistério e uma aventura ao mesmo tempo. 

“É muito difícil ir embora – até você ir embora de fato. E então ir embora se torna simplesmente a coisa mais fácil do mundo.” Pág. 262

Com essa leitura, refleti sobre o fato de acharmos que conhecemos as pessoas, quando na verdade não sabemos nada sobre elas. Também me dei conta de como pode ser importante se envolver na vida das pessoas que estão a nossa volta. Por exemplo: Perguntar sobre coisas que as interessam, mesmo correndo o risco de não receber uma resposta. Isso pode fazer uma diferença enorme em casos como o de Margo. E outra coisa que eu posso destacar é que um sentimento de nostalgia tomou conta de mim com as descrições de Quentin sobre o final das aulas. 

O final é surpreendente e muito sensível. Fiquei imaginando muitos finais para essa história, mas passei longe de imaginar o que de fato aconteceu. E eu adorei... Fiquei em choque, mas adorei. Na verdade, me apaixonei pelo livro todo, dei boas risadas e passei por momentos de angústia, mas o final me conquistou de uma forma admirável.

16 comentários:

  1. Morro de vontade de ler esse livro
    http://toobege.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oie, td bom?

    Eu li recentemente Quem é você, Alasca? do John Green e adorei também. Cidades de Papel é o próximo, acho, que lerei. Adoro o humor dos livros dele.

    Beijos!
    Arrastando as Alpargatas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Rafa,
      Também adoro os livros do Green, é a segunda vez que leio Cidades de Papel.
      Obrigada pela visita!
      Beijos

      Excluir
  3. Eu tenho esse livro mas ainda não li.
    Foi uma das suas resenhas que mais gostei.
    Agora, quero ainda mais ler o livro logo, para poder conhecer o Q.
    petalasdeliberdade.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Mari.
      Quando ler o livro que saber a sua opinião.
      Beijo!

      Excluir
  4. Oi, Thamiris. Encontrei teu blog por aí e achei super fofo. Bom, eu li há algum tempo Cidades de Papel e achei uma chatice. Sério, esperava mais, porque é do John Green. Mas espero assistir o filme quando sair, acho que vai ser melhor que o livro.

    beijos.

    http://mundo-restrito.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Ju!
      Ah, que pena que você não gostou do livro. Eu adorei e li duas vezes, rs.
      Obrigada pelo elogio ao blog! ♥
      Beijão

      Excluir
  5. Olá Tha! Tudo bem?
    Gostei muito de sua resenha, mas nossas opiniões são diferentes.
    O livro é encantador, muito fofo, Q é um amor, mas eu não consegui gostar da Margo. Green é um rei escrevendo e esse livro não é diferente, só não gostei muito dela rs.
    Beijos
    http://mileumdiasparaler.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Bruna!
      Eu realmente adorei o desfecho. Acho que ás vezes é necessário ter um personagem mais do contra, rs.
      Muito obrigada lindona.
      Beijos.

      Excluir
  6. Olá, já li dois livros do John Green, que foram "A culpa é das estrelas" que eu amei e "Quem é você, alasca?" que eu odiei tanto, que vendi por R$5,00, só para me livrar desse livro.
    Me interessei muito por essa história em especial, acho que eu iria gostar muito.
    Adorei sua resenha. Beijos.
    PS: Te indiquei para uma tag lá no blog, dá uma olhadinha.
    lendocomabianca.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Bianca,

      Ah meu Deus! Eu gosto de todos os livros do Green, mas "Quem é você, Alasca?" eu classifiquei com 4 estrelas, haha.
      Obrigada querida, vou dar uma olhada. Que bom que gostou da resenha!
      Beijão

      Excluir
  7. Oi Thamiris, tudo bem com você?
    Adorei sua resenha do Cidades de Papel, confesso que esse livro eu dei muito risada do começo ao fim rs.
    Meus personagens preferidos são Been e Radar rs eles são muito figuras.
    www.livreando.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!
      Muito obrigada. Ah, Ben e Radar são demais! haha

      Excluir
  8. Que lindo seu blog, parabéns e seus textos são incríveis. Sobre Cidades de Papel, eu amei o livro e confesso estar lendo outro livro, com o intuito de embarcar em uma nova aventura através da leitura mas esta bem difícil me concentrar, pois a história de Quentin e Margo não sai da minha mente. Blog lindo e livro maravilhoso. bjs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Bruna, muito obrigada!
      É tão bom e ruim ao mesmo tempo quando isso acontece, né? Mas os livros estão aí para causar essas sensação mesmo!
      Obrigada novamente, beijos

      Excluir

Seu comentário é muito importante. Obrigada!

Obs.: Caso você não tenha uma conta no Google e não saiba como comentar, escreva o que deseja na caixa de texto acima e na opção "comentar como" selecione "Nome/URL", preenchendo somente o campo nome.

E-mail para contato: thamirisdondossola@hotmail.com